donate-monthly
LEIA MAIS
Ter uma startup não é mais algo de especial

“Ter uma startup não é mais algo de especial”. Ouvi essa frase duas vezes na última semana, e umas 5 ou 6 vezes desde que o ano começou. Acho que […]

Universidades e startups no Brasil – união hipócrita?

Faça uma faculdade, depois um ou dois MBAs, tudo junto a cursos vários de inglês e espanhol e aulas de piano. Ao final de 20 anos você poderá começar como […]

O superlativo ridículo do empreendedorismo

Li esta semana algumas peças, artigos e apresentações falando do que diferencia um “pequeno negócio” de um “império”, ou uma “empresinha” de uma “multinacional”. Os gurus do empreendedorismo popstar não […]

Vindi – assinatura para startups de vendas por assinatura?

É exatamente disso que se trata – um serviço pago mediante assinatura, para que startups e websites que apostaram no segmento de vendas por assinatura possam controlar suas plataformas, receber pagamentos mensais, administrar clientes e tudo mais. Preferi evitar o modismo do “as a service“, mas é esse o tipo de negócio desenvolvido pela Vindi. O fundador Rodrigo Dantas comentou um pouco mais sobre o modelo e respondeu algumas perguntas da Startupeando.

[fresh_divider style=”dashed”]

Pagamentos recorrentes

Esse foi o nome dado à categoria de modelo de negócios assimilada pela Vindi – na prática, pagamentos recorrentes não são novidade e estão presentes no mercado de serviços desde que ele foi criado. Escolas, planos de saúde, convênios em geral, clubes, condomínio… tudo isso corresponde a um serviço que é pago de maneira praticamente fixa, sujeito a reajustes, porém celebrado em contrato e com parcelas mensais a perder de vista. O segmento de vendas por assinatura (os exemplos na internet hoje são incontáveis, vendendo desde roupas e acessórios até barbeadores e até mesmo brinquedos para animais de estimação, tudo de forma a entregar mensalmente um ‘pacote’ aos clientes, recebendo o pagamento com igual frequência).

“Qual o propósito para um site de assinaturas ou um serviço por assinatura existir? Se a resposta estiver diretamente ligada à Necessidade + Conveniência, já é meio caminho andado”, considera o empresário.

[fresh_divider style=”dashed”]

Modelo maduro

Rodrigo minimiza a possibilidade de “bolha” no mercado de assinaturas, a exemplo do que ocorreu com as compras coletivas e outras modalidades de clubes de compras. “Diferente do negócios dos clubes de compras, o modelo de assinaturas é um tanto maduro. Acho que muita gente aprendeu a lição do “hype” de ter um clube de descontos. Só ver hoje… Groupon, Peixe Urbano e outros poucos sobrevivem”, afirma ele. A conveniência do delivery juntamente com a necessidade de uso e consumo frequente devem ser os fatores observados por fundadores de startups na área, considera Rodrigo.

Em relação aos nichos nos quais o modelo de assinaturas é mais frequente e requisitado, o empreendedor considera que já há boa atuação no ramo de bebidas, como vinhos e cervejas, mas pouca proliferação ainda em outros segmentos-chave para a prática, como o de cosméticos.

Mas é no setor de serviços que o modelo deverá prosperar e perdurar, conforme opina o empresário. “Os serviços são grandes impulsionadores desse modelo. Vejo um grande negócio já no curto prazo para essas empresas. O Netflix, que é um case em número de assinaturas no mundo, evangelizou o consumidor que estava pronto por pagar por um bom serviço. Acabou com locadoras de filmes, impactou a própria TV paga e preparou o mercado de consumo para o modelo”.

[fresh_divider style=”dashed”]

Mercado de pagamentos carente

Perguntamos a Rodrigo o porquê de utilizar a solução da Vindi e não desenvolver um sistema in-house, mediante o uso de APIs de plataformas de pagamentos ou gateways disponíveis no mercado. “Conheço alguns clubes que desenvolvem sua própria solução, mas gastam um tempo muito grande conciliando, analisando e corrigindo problemas com meios de pagamento. Tenho plena certeza que deveriam se dedicar mais ao seu próprio negócio, em marketing, logística e outras áreas”, diz ele, que já esteve à frente de um site de e-commerce, há um par de anos.

Rodrigo define o sistema da Vindi como um gateway de pagamentos especializado em assinaturas e pagamentos recorrentes, o qual ele diz ser único no Brasil. A ferramenta também integra análise de fraudes e sistema de recuperação de vendas e algumas outras features presentes em muitos dos sistemas de pagamento hoje populares.

[fresh_divider style=”dashed”]

3 Comentários

  1. Realmente o mercado via internet hoje está em alta no Brasil e ainda carente de opções seguras e confiáveis para a crença do consumidor final. Fico feliz em sabe que existem mais opções agora é bom para todos. Att, Cristiano Silva – Consultor de Sistemas.

  2. Leonardo says:

    Analisei o site da Vindi e para uma startup, a dimensão é de algo gigante. Com certeza é algo diferenciado no mercado, superando concorrentes próximos. É questão de tempo para os milhares saírem do mercado e ficarem com as mais sólidas. A vinda é uma delas.

  3. Bruno Luiz says:

    Estou testando as soluções da Vindi e até o momento estou gostando, e ele tem razão, antes de conhece-los não achei nenhuma ferramenta do tipo adequada ao meu negocio.

    Acredito que o mercado irá crescer muito ainda \o