universidad-aumento-ciento-numero-alumnos_TINIMA20120727_0112_5
LEIA MAIS
Por que paramos de falar em startups?

Quem lia nosso blog deve ter reparado (ou não lia): não escrevemos nada faz pelo menos 6 meses. Claro, mantivemos algumas postagens em redes sociais, mas o fato é que […]

Odeie a Bel Pesce – agora é ‘hype’

Até uma semana e pouco atrás, todos os exultantes e fascinados “empreendedores” por profissão no mercado online e nas redes sociais adoravam e idolatravam a Menina do Vale. Não importa […]

Devo criar minha empresa no Brasil ou no exterior?

Muitos empreendedores jovens, alguns ainda vivendo com os pais, têm feito repetidamente a si mesmos e a colegas, amigos e conselheiros essa mesma pergunta: “devo abrir minha empresa aqui ou […]

Universidades e startups no Brasil – união hipócrita?

Faça uma faculdade, depois um ou dois MBAs, tudo junto a cursos vários de inglês e espanhol e aulas de piano. Ao final de 20 anos você poderá começar como estagiário, desempenhando serviços menores e de segunda classe passados por um chefe que sofreu o mesmo tipo de assédio, mas agora é hora dele “descontar”. Há muito bons cursos e universidades no Brasil, mas a proliferação dantesca de cursos de nível superior no país levou a criação de ainda mais “necessidades” falsas. Desculpe, o brasileiro médio não fala inglês e, entre aqueles que alegam fluência, 90% são incapazes de fazer um pedido completo numa loja norte-americana do McDonald’s. Nossos cursos de MBA, em sua maioria, são um apanhado tosco de apresentações de Powerpoint – metade chupada de aulas de outros professores e outra metade chupada de apresentações motivacionais no SlideShare.

Bem, isso acontece em muitos lugares do mundo também – não vamos apontar apenas o brasileiros. Mas o fato é que, embora muitos se armem até os dentes para negar, por conta de meia dúzia de escolas que realmente promovem inovação no ensino, o ramo acadêmico brasileiro é tradicionalista, desnecessariamente formal, repleto de vícios e, principalmente, amante de métodos retrógrados e atrasados.

Ok, e o que as startups têm a ver com isso?

Bem, essa é a exatamente a pergunta que eu faço. Como instituições que rezam que você tem de adquirir imenso preparo até mesmo para preparar um café se alinham com iniciativas e técnicas que desenvolvimento de produtos e negócios que têm como principal característica o risco, a rapidez, a dinâmica e, principalmente, a possibilidade de aprendizado com o erro ou estratégias equivocadas, que podem ser aprimoradas não por meio de conhecimento formal, mas de constatações decorrentes de sua própria execução?

Não podem.

Modernização versus moda

Aderir a modismos promovendo campeonatos e rodadas de startups, enquanto professores ainda dão as mesmas aulas de 40 anos atrás, porém munidos de apresentações mal diagramadas de Powerpoint, não constitui uma “modernização”. Isso é moda – e como toda moda, infelizmente ela passa. Instituir uma filosofia de criação de empresas como startups e implementar ciclos de aprendizado baseados em tentativa e erro são coisas que contradizem quase tudo o que vemos hoje em uma universidade.

Concluir um curso que ditou regras inflexíveis do certo e do errado ao longo de 4 ou 5 anos com um projeto no qual o erro é apenas um motivo para a implementação de melhorias é, no mínimo, hipocrisia. Outra: vários professores especialistas em tudo e mais um pouco abraçaram a filosofia startup e o vocabulário pernóstico do empreendedorismo digital e moderninho, mas sequer foram pesquisar a respeito. É como ensinar gramática da língua inglesa retirando do programa a gramática da língua portuguesa.

Ensinar errado ou não ensinar nas universidades?

A pergunta é difícil – quase uma pegadinha. Tenho visto professores ensinando empolgados diagramas do Canvas em aulas de gestão – ensinando errado. A grande maioria deles está tomando o Canvas, apenas para usar um exemplo, como sendo uma “versão resumidinha” do bom e velho plano de negócios do Sebrae. Não dá exatamente para culpá-los: direções de universidades cobram assuntos da moda de seu corpo docente – é preciso vender mais.

Melhor do que não ensinar, certo? Talvez. Mas o fato é que com essa prerrogativa, estamos tornando uma estratégia inteligente e moderna de empreender em mais um exercício aborrecido aplicado em aula. Mais um trabalhinho merda para completar a nota da prova. Mais uma forma de desinteressar o aluno.

Como fazer?

Bem, em primeiro lugar, o paradigma do “esperar até se formar” para empreender ou ingressar no mercado de trabalho é um mito que precisa ser derrubado. Derrubado, espancado, queimado vivo e atirado aos cães. Que as estratégias que ajudam a empreender estejam ministradas no começo, não no término de uma faculdade. Que elas sejam incutidas e discutidas ao longo de todo o curso, não como disciplina “extra” para atazanar o aluno em seu ano de formatura.

É a boa e velha história. As universidades estão “tentando”, como muitos diriam. Honestamente? O brasileiro precisa parar de tentar e simplesmente começar a fazer. O mesmo se aplica aqui.

2 Comentários

  1. Caio Swan says:

    Maneiro o texto, mas peca em trechos chave. Uma parte chama a aproximação com startups de hipócrita por ser diferente dos valores da faculdade (baseado em modinha) e no final fala em acabar com o mito de empreender só depois de se formar.

    É justamente essa aproximação que vai começar a criar o incentivo pros alunos e abrir mais portas pra mudança profunda necessária da faculdade. Por fim, fala que o jeito de fazer é ensinar no começo dos cursos, mas pra essa mudança tão profunda é um passo de cada vez, começando justamente por essa “hipocrisia”

  2. Texto simplesmente brilhante. Concordo plenamente e venho disseminando este conceito sempre que possível: é preciso começar, e a faculdade deve ser um grande ambiente de testes, onde o empreendedorismo deve ser discutido, praticado e entendido.

    Parabéns pelo texto!