Tendências em Coworking – Eric Saboia, do Sevana

[hr]

Pode mesmo ser que tudo comece no eixo Rio-São Paulo aqui no Brasil, mas o coworking já rompeu tais barreiras e agora cresce de forma igualmente pujante em diversas regiões do Brasil, como comenta Eric Saboia, um dos proprietários do coworking Sevana, da cidade de Fortaleza, no Ceará: “o coworking apareceu na região sudeste pelo menos 3 anos antes de se expandir pro restante do Brasil. Pode parecer pouco, mas se você pensar que no mundo inteiro o coworking tem apenas 7 anos de vida, é quase o dobro do tempo”.

De qualquer modo, Saboia lembra que o número de coworkings cresce de modo assustador. “O número de espaços, ao redor do mundo, aumentou 400% nos últimos 2 anos”. Com pessoas podendo trabalhar de qualquer lugar e o avanço da mobilidade, Saboia diz que a demanda caminha a passos igualmente largos.

Eric também ressalta a velocidade de expansão nos negócios no Brasil – “o momento empreendedor” que o país vive. Ele lembra que hoje o país o terceiro do mundo em número de abertura de empresas.

[hr]
Geração de talentos e otimização

“O coworking, como qualquer sociedade, precisa estabelecer um ecossistema economicamente saudável”, diz o empresário. Saboia vê o coworking como um catalisador de novos talentos e links, trazendo pessoas que possam agregar valor e colaborar entre si. “Tendo as peças certas no tabuleiro, todos jogam melhor, certo?”

“Qualquer coworking em que haja essa linha de pensamento vai atrair pessoas talentosas”, e segundo ele, o Sevana está desempenhando bem esse papel na capital cearense.

A Sevana nasceu como uma startup de TI. “Buscamos uma alternativa pra baratear nossos custos de estrutura e descobrimos o coworking. Descobrimos também que esse tipo de espaço não existia por aqui, daí decidimos iniciar o nosso. Hoje continuamos desenvolvendo softwares inovadores, suportados pela infra-estrutura do coworking”.

[hr]
Eventos pertinentes e estratégicos

Outra tônica dos espaços de coworking é a produção de eventos coerentes e em linha com o público, mas também com a filosofia do espaço. Perguntamos a Eric a respeito do Sevana, o qual segue basicamente duas linhas de raciocínio em seus eventos:

  • Relacionados aos interesses predominantes de nossos coworkers;
  • Relacionados a nichos completamente inexplorados por nós;

Em termos de perfil, os coworkers do Sevana seguem em muito a cara dos próprios fundadores: jovens descontraídos das áreas de tecnologia e comunicação.

[hr]


Um comentário

  1. Juliene says:

    Muito boa à apresentação do coworking. Eu trabalhei em casa durante um bom tempo e comecei a perceber que não tinha muita concentração, me preocupava com uma série de pequenos detalhes e o meu dia acabava não rendendo. Então felizmente fui apresentada a ideia de coworking por uma amiga, encontrei um espaço formidável a Gowork.com.br para quem se interessar, hoje em dia tive um retorno muito maior do que o esperado dessa minha atitude de trabalhar num escritório compartilhado, tive um aumento significativo na minha produtividade, além de uma série de vantagens , facilidades e novas ideias que compartilho com os profissionais com quem divido o escritório. Vale a pena prestar atenção no conceito e recomendo uma vista.