LEIA MAIS
Os 5 modelos de monetização da moda

Isso mesmo – alguns especialistas americanos falam em sete diferentes tipos de modelos de negócio apenas na modalidade freemium, outros falam em mais sete modelos para assinaturas e outros ainda […]

Akatus – crescendo em meio a gigantes

O segmento de pagamentos online no Brasil é uma área que envolve gigantes: os principais sistemas de pagamento do mercado estão respaldados, não coincidentemente, pelos maiores grupos da internet brasileiras. […]

Pagapramim – startups batendo na porta do Banco Central

O mercado de empresas inovadoras e startups realmente caminha muito rápido. Noutro dia discutíamos a ausência de startups realmente ligadas a serviços financeiros e novas soluções em relação a crédito, […]

Startups com modelos baseados no DropBox

O serviço do Google Drive e Microsoft Skydrive são bastante funcionais e populares, e bons concorrentes, como o Box.net, também conquistaram seu espaço, porém é inútil discutir: o DropBox é o benchmark definitivo no segmento de armazenamento e sincronização de dados na web. Tanto assim que startups dos mais diferentes ramos já iniciaram seus modelos de negócio em consonância total com o aplicativo e a API do DropBox. A seguir veremos alguns dos melhores exemplos nessa categoria.

[fresh_divider style=”dashed”]

O “Blog Minuto”

O avanço dos sistemas de CMS, com destaque para WordPress e Joomla, juntamente com plataformas modernas de blogging, como o Tumblr e mais recentemente o Medium certamente tornam o ato de escrever e publicar na internet cada vez mais simples. Porém, sempre teremos necessidade de manter nosso domínio e autoria, além do que, mesmo com as facilidades dessas novas ferramentas, há quem queira lançar mão dos tradicionais editores de texto.

Alguns sistemas minimalistas de CMS têm feito uso do DropBox para publicar posts. Com o Scriptogram e o Calepin, o usuário pode construir um template para seu blog, ou mesmo pegar um pronto, e a partir daí passar a postar simplesmente escrevendo seus textos – online ou offline – e salvando-os em uma pasta pré-determinada em sua conta do DropBox. Fácil assim. E, para os que pensam que a simplicidade tirou todas as funcionalidades e features adicionais, embora o Calepin seja bastante rudimentar, o Scriptogram conta com ferramentas de personalização de formatação e do código, abrindo caminho para quem gosta de ‘fuçar’, para webdesigners e mesmo alguns desenvolvedores.

[fresh_divider style=”dashed”]

Vendendo seus links

Outro modelo de monetização de sua conta do DropBox é a “venda de links”. Há algumas startups recentemente atuando com esse modelo de negócio – os links são protegidos com senhas ou criptografados e abertos apenas quando o usuário paga um valor determinado pelo proprietário da conta, em alguns casos com integração direta com o PayPal também. Dois bons exemplos, embora ainda prematuros, são o Sellbox e PalDrop. Novamente, embora a maioria desses serviços aos poucos adicione outros serviços concorrentes do DropBox, o benchmark sempre é o pontapé inicial.

[fresh_divider style=”dashed”]

Escalabilidade com privacidade

Talvez o mais inusitados dos modelos de negócio que vimos ultimamente fazendo uso do DropBox tenha sido o NimbusBase. Essa startup promete resolver os problemas de escalabilidade no desenvolvimento de apps e questões de privacidade dos usuários numa tacada só – desenvolvendo seu aplicativo com o uso do back-end deles, você pode fazer com que os usuários do app armazenem seus dados em suas próprias contas do DropBox e Google Drive. Problemas devem surgir nessa versão beta e certamente há muito ainda o que melhorar, mas a ideia é mesmo diferente. Além disso, os preços são bastante razoáveis: gratuito para apps abertos até cinco mil usuários e US$ 500 por ano no plano corporativo.

[fresh_divider style=”dashed”]



Comentários fechados.