maxresdefault
LEIA MAIS
Odeie a Bel Pesce – agora é ‘hype’

Até uma semana e pouco atrás, todos os exultantes e fascinados “empreendedores” por profissão no mercado online e nas redes sociais adoravam e idolatravam a Menina do Vale. Não importa […]

Devo criar minha empresa no Brasil ou no exterior?

Muitos empreendedores jovens, alguns ainda vivendo com os pais, têm feito repetidamente a si mesmos e a colegas, amigos e conselheiros essa mesma pergunta: “devo abrir minha empresa aqui ou […]

Pronto! Já pode desligar o módulo empreendedor!

Estranho um título como esse em um blog sobre empreendedorismo, startups e afins, não é mesmo? A verdade é que faz todo o sentido. Não irei perder meu tempo realizando […]

Por que paramos de falar em startups?

Quem lia nosso blog deve ter reparado (ou não lia): não escrevemos nada faz pelo menos 6 meses. Claro, mantivemos algumas postagens em redes sociais, mas o fato é que o site ficou, no último semestre, realmente abandonado. Eu poderia alegar falta de tempo, outros projetos ou mudanças em minha vida. A verdade é que sim, ocorreram e irão ocorrer muitas mudanças na minha vida e sim, tenho dezenas de outros projetos em curso, mas não é por isso que vocês não têm mais lido nada de novo por aqui.

Escrevi alguns livros e ebooks na área de empreededorismo e também em outros segmentos de gestão, inclusive na área condominial, de segurança do trabalho e de comunicação. De novo, nada disso fez com que eu parasse necessariamente de escrever – apesar de tomar grande parte de meu tempo.

A verdade é que o “novo” empreendedorismo se perdeu. Claro, há startups interessantes pipocando aqui e ali, e ignorá-las seria injusto, mas a verdade é que o “novo” empreendedorismo se rendeu ao velho modo de se conduzir negócios. Se os novos empreendedores antes confundiam idealismo com bons modelos de negócio, agora confundem nomes bonitos com inovação. O meio de startups perdeu um pouco de sua vida, daquele ímpeto empreendedor sem medo e sem dúvidas… as fórmulas e receitas de bolo ganharam corpo e se transformaram na regra. A exceção é aquilo que buscávamos inicialmente.

***

O projeto da Startupeando não foi em vão: por anos acompanhamos o crescimento de uma parte praticamente inexistente da economia, mas os anos de crise não apenas abateram parte do espírito empreendedor, mas deram força às fórmulas mágicas. Muitos empreendedores viraram concurseiros, alguns foram seduzidos pelas receitas prontas de sucesso, e outros desistiram tendo em vista as enormes dificuldades de empreender em nosso país (que não foram em absoluto apaziguadas nos últimos 5 ou 10 anos).

As pessoas antes envolvidas na manutenção de nosso projeto foram conduzir seus próprios projetos, ou hoje trabalham comigo atendendo a dezenas de clientes que fizemos ao longo dessa experiência. Nos meses e no suspiro final, mantive alguma atividade por conta própria, algo cada vez mais difícil não por conta de projetos profissionais, mas sim pessoais: planos de filhos, mudança de país, novos empreendimentos e um significado mais simples para minha vida.

Nossa página ainda continuará no ar por algum tempo – o conteúdo que juntamos ao longo de anos pode e, oxalá, será útil a toda uma nova leva de empreendedores que começa a aparecer por aí. Temos esperanças, e a crise ou a falta de propósito atuais são apenas um ponto de inflexão em um ciclo de inovação e evolução que não pára. Esperaremos o próximo ciclo e, se tudo der certo, quem sabe não voltamos. As startups vieram para ficar no século em que vivemos – porém ainda precisamos entender como elas coexistirão ou irão tomar lugar do establishment que temos ainda por aí.

Nossas redes sociais continuarão veiculando novidades, fatos e notícias interessantes e tudo mais que possa interessar aos amantes de startups e empreendedores da nova geração – o que encerro aqui é o compromisso de nosso blog, mas não seu espírito. Meus votos de sucesso a todos que nos têm acompanhado e nos vemos mais adiante, se possível em outros projetos!

 

Deixe um comentário