PingMind-–-o-fim-das-plataformas-inflexíveis-de-e-learning-
LEIA MAIS
Guia rápido para criar produtos que ninguém quer

Todos os dias vemos novos produtos que absolutamente ninguém quer, ou precisa, chegarem ao mercado. Não façam pouco desses inúmeros itens – por incrível que possa parecer, eles tomaram tempo […]

5 lições dos animes para startups

Um dos maiores ícones da cultura geek e nerd são, sem dúvidas, os animes japoneses. Desde os precursores Astroboy, Cyborg 009 e Speed Racer, todos veiculados no Brasil entre as […]

Prós e contras da terceirização (para startups brasileiras)

A popularização da metodologia “startup” de construção de modelos de negócio e empresas traz à tona, uma vez mais, a discussão da mão-de-obra e prestação de serviços terceirizadas. Usadas muitas […]

PingMind – o fim das plataformas inflexíveis de e-learning?

O avanço do e-learning e do ensino à distância começou mesmo antes da proliferação das startups e da nova onda do empreendedorismo. Hoje, que estamos dez anos distantes das primeiras iniciativas brasileiras na área, o mercado passa a demandar plataformas e estruturas mais em linha com os novos paradigmas sociais, com flexibilidade de desenvolvimento e velocidade de adaptação aos novos desafios e conceitos da área educacional. Novos sistemas operacionais surgem todos os dias e a mobilidade não é mais um luxo para poucos – nesse contexto, a startup recifense PingMind parece ser uma das grandes inovadoras no segmento, uma promessa para os próximos passos do ensino virtual.

Hoje o Brasil provavelmente conta com uma centena ou mais de sites e portais de ensino virtual, aulas em vídeo e cursos online. Alguns deles são baseados em sistemas de LMS – Learning Management System - o equivalente ao WordPress ou Joomla para ensino e educação. O Moodle é um dos sistemas mais populares, porém existem outros. Há também sites especializados em streaming, para comercialização e propagação de aulas em vídeo. Contudo, em ambos os casos, a possibilidade de intervenção na plataforma fica restrita aos publishers.

De programador para programador

PingMind surgiu inicialmente de uma iniciativa de ensino na área de programação, o PyCursos.com, segundo um dos fundadores, Péricles Miranda. O PyCursos oferecia um sistema de ensino e troca de conhecimento para programadores e alunos em Python. Com o sucesso da plataforma, mesmo em público tão restrito, Miranda diz que ele e seus três atuais sócios vislumbraram possibilidade de uso de uma plataforma similar para o meio educacional, de um modo mais abrangente.

A plataforma para programadores seria o primeiro esboço do PingMind, que agora faz seus últimos ajustes, para lançamento de um beta aberto em novembro de 2012.

Boa plataforma, possibilidades inesgotáveis

Nós, da Startupeando, já tivemos acesso à futura plataforma do PingMind. De um modo geral, o que se tem até agora é uma plataforma limpa, de fácil manuseio e dedução e bastante completa. Mas isso, por si só, não faz o PingMind muito diferente de algumas boas startups do setor, especialmente algumas estrangeiras. A “galinha dos ovos de ouro” do sistema recifense está em suas possibilidades de customização e adaptação, as quais geram não apenas abertura para desenvolvedores criarem novas aplicações dentro da plataforma, mas também para que possam monetizar tal iniciativa.

A API do PingMind, comenta Péricles, está em fase final de desenvolvimento. Ela permitirá, entre outros, que desenvolvedores criem novas aplicações e as coloquem à venda em um marketplace interno, “vendendo” suas criações para empresas e pessoas que já veiculam e ministram cursos dentro da rede. Desse modo, Miranda e seus sócios esperam ter uma plataforma sempre em dia, com auxílio dos próprios usuários, e ainda gerar possibilidades de ganho não apenas na venda de cursos, mas também no desenvolvimento de aplicativos e plugins.

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn1

Comentários fechados.