LEIA MAIS
Por que paramos de falar em startups?

Quem lia nosso blog deve ter reparado (ou não lia): não escrevemos nada faz pelo menos 6 meses. Claro, mantivemos algumas postagens em redes sociais, mas o fato é que […]

Odeie a Bel Pesce – agora é ‘hype’

Até uma semana e pouco atrás, todos os exultantes e fascinados “empreendedores” por profissão no mercado online e nas redes sociais adoravam e idolatravam a Menina do Vale. Não importa […]

Devo criar minha empresa no Brasil ou no exterior?

Muitos empreendedores jovens, alguns ainda vivendo com os pais, têm feito repetidamente a si mesmos e a colegas, amigos e conselheiros essa mesma pergunta: “devo abrir minha empresa aqui ou […]

Pensando um modelo de negócios em 3D

Novos “sistemas” anunciados aqui e ali parecem querer tornar o modelo de negócio do Canvas, algo extremamente sintético e simplista, em algo ainda mais rápido e superficial. Convenhamos: ele já não é claro e veloz o suficiente para querermos “facilitar” ainda mais para o empreendedor?

Um período de correção em vários dos segmentos atacados por startups parece estar a caminho. Das dezenas, talvez centenas de milhões de aplicativos presentes no mercado mobile, por exemplo, talvez menos de 1% detenham mais de 99% da receita total. A descoberta não tão feliz dos criadores desses aplicativos, de que o mundo do Canvas funcionava muito bem, até que saísse do papel ou mudasse de página. Não encarem isso como uma crítica ao diagrama do Canvas – ele funciona muito bem para os objetivos aos quais se propõe. Contudo, podemos considerá-lo como se fosse apenas uma das faces de um cubo… e como no sólido geométrico, há mais cinco faces que não podemos enxergar quando estamos totalmente concentrados em uma delas…

Considerando o entorno

O caminho que leva do modelo de negócio à consolidação de uma empresa é, muitas vezes, um túnel. É possível ver uma luz no final do túnel, mas não se sabe ao certo o que há do outro lado. Entretanto, quando consideramos em nossas pesquisas e variáveis o entorno desse modelo, é como se o túnel tivesse “aberturas”, através das quais podemos ver, ao longo da jornada, um pouco do que há do lado de fora. Segundo o próprio diagrama proposto por Alex Osterwalter, autor do Canvas, são quatro as variáveis do entorno a se analisar:

  • Tendências – novas tecnologias, tendências culturais, modificações na regulamentação e legislação e previsões e modelos econômicos podem e devem orientar o empreendedor no desenvolvimento de seu modelo;
  • Mercado – a análise da demanda e oferta em segmentos específicos, problemas comuns no mercado em que se pretende atuar e níveis de precificação são vitais para qualquer empresa, incluindo startups;
  • Concorrência – mesmo nos casos onde o modelo de negócio busca segmentos com pouca ou nenhuma concorrência, é importante estar ciente de possíveis entrantes e dos chamados ‘sucedâneos’, que podem influir na demanda por seu produto ou serviço;
  • Macroeconomia – toda a economia influi diretamente em seu modelo. O nível de conhecimento dessas variáveis pode tornar sua empresa promissora em tempos de crise econômica, ou mesmo um fracasso numa época de pujança.
Canvas 3D – por que não?

A Startupeando, com base no livro por mim escrito em coautoria com André Telles – “O Empreendedor Viável” – propõe uma nova abordagem ao modelo Canvas tradicional. A partir de modelos de negócio produzidos por empreendedores, aplicaremos as quatro variáveis de entorno, para chegar a um modelo revisado, que leve em conta o contexto e ambiente nos quais a startup proposta estará inserida: uma espécie de “Canvas 3D“, conforme ilustra o diagrama abaixo.

3dcanvas

Tão simples quanto o modelo Canvas original, o Canvas 3D propõe a análise de dados de entorno posteriormente à construção do modelo inicial – criando um modelo Canvas mais crível e consolidado para a exposição a investidores e mercado. Mais do que um mero exercício de “preencher os quadrinhos”, o modelo Canvas 3D permite aos empreendedores evitar armadilhas que surgiriam em etapas de prototipação e ganho de usuários, demovendo a startup de esforços que, de início, já se mostrariam pouco eficazes.

A palavra em questão é viabilidade. Determinadas hipóteses consideradas no modelo Canvas original simplesmente não sobrevivem a uma análise mais contundente de mercado, em especial estratégias para ganho de usuários e geração de receita, mas também hipóteses de custos e uso de recursos, e até mesmo de geração de valor. O exercício do Canvas 3D inclui a análise de fatores do ambiente de negócios: condições de entrega, mercado de trabalho, opções de uso de tecnologias, legislação, etc… o que permite ao empreendedor entregar a seus investidores, acionistas, sócios e parceiros uma visão mais madura e realista de sua ideia, porém já aplicada ao cenário ao qual ela terá, cedo ou tarde, que se submeter.

A Startupeando e os autores de “O Empreendedor Viável” estarão em breve abrindo as primeiras turmas para os workshops do Modelo de Negócios 3D. Você gostaria do curso em sua cidade ou região? Entre em contato conosco e incluiremos você entre nossas prioridades.

Deixe sua solicitação aqui mesmo nos comentários, ou entre em contato via e-mail em cursos@startupeando.com.br



Comentários fechados.