LEIA MAIS
Pronto! Já pode desligar o módulo empreendedor!

Estranho um título como esse em um blog sobre empreendedorismo, startups e afins, não é mesmo? A verdade é que faz todo o sentido. Não irei perder meu tempo realizando […]

Hora de vender pra gringo (e não comprar)

É claro que o segmento de startups e a economia digital foram afetados e continuam a ser vitimados pela crise que abateu nosso país – seria uma imbecilidade sem tamanho […]

4 modos infalíveis de arrancar dinheiro de uma startup

Segundo muitos acreditam, startups são uma maneira arriscada de se ganhar muito dinheiro. Tudo ótimo, a não pela palavra “arriscada”. Muitos empreendedores não estão dispostos a correr esses riscos. Para […]

O que é uma landing page?

Algumas modas da internet vêm e vão e a maioria dos usuários e empresas sequer dá conta delas. Em outros casos, algumas tendências realmente pegam, e empresas e usuários correm atrás do prejuízo para acompanhá-las, mas muitas vezes sequer sabem a real função do modismo que está em alta. A tendência da landing page parece que veio para ficar – podendo ser traduzida de forma livre como “página de destino” ou até mesmo “página de chegada”, a landing page é uma espécie de site, porém geralmente possui uma única página, que pode se estender em várias rolagens de tela, e é definida como a página (ou páginas) através da qual o usuário ingressa em seu website, plataforma ou encontra sua empresa.

Ainda há, principalmente entre empresas que não dominam o meio digital, uma certa confusão entre a “homepage” de um site e suas landing pages. Diferente da “home”, a landing page possui um caráter geralmente focado em um produto ou serviço, ou tópico que queremos ressaltar, e tem como objetivo conduzir usuários até a realização de uma ação. É claro que tal ação pode ser, simplesmente, ingressar em seu website ou em partes dele, mas também pode envolver o download de um produto, arquivo ou ebook, o preenchimento de um cadastro, uma compra, uma doação e por aí vai.

A landing page está sempre associado a um determinado link ou método de entrada, e por essa razão, não raramente um mesmo site ou empresa possui diversas landing pages, que variam conforme a origem do usuário ou até mesmo suas características pessoais e profissionais. Em alguns casos, é comum alternar dois ou mais modelos de landing page para um mesmo link de entrada, para a realização dos chamados testes A/B.

Otimizando uma landing page

Construir uma landing page não é algo que segue a mesma lógica de construção de um site comum. Como foi dito, o foco é na ação e na conversão do usuário que chega até ela, desse modo o principal fator a ser obedecido é o de não causar distrações. Uma landing page é clara, objetiva, segue uma hierarquia de informações e não possui links externos, que façam com que o usuário “fuja” da página antes de concluir a ação proposta.

Na hora de criar ou otimizar uma landing page, é preciso ter alguns tópicos em mente:

  • Pouco texto e títulos e chamadas conativos e assertivos – “tenha o melhor software”, “resolva seu problema de espaço”, “maior rapidez para sua aplicação” e assim por diante, são títulos comuns logo na entrada de uma página, geralmente organizados em tags H1. Chamadas e intertítulos se seguem ao longo da página, exaltando características de um produto exposto, oferecendo vantagens em troca da conversão ou simplesmente guiando o leitor até a ação: “baixe o ebook gratuitamente”, “inscreva-se e ganhe 30 dias grátis”, “o único com suporte 24 horas” e por aí vai. Intertítulos e chamadas são geralmente organizados em tags H2 e H3.
  • Proposta clara – não seja metafórico ou vago em sua chamada principal. O leitor precisa saber no primeiro segundo o que você de fato está propondo. Caso a proposta seja muito complexa ou descritiva, é grande a possibilidade de dispersão.
  • Call-to-action – ou CTA, é algo geralmente associado a um botão e está ligado à ação que você quer gerar em seu usuário. Seja enfático, direto e diga exatamente o que irá ocorrer mediante o clique. Nada é mais danoso a longo prazo do que promessas vazias ou falsas na internet. Sites que adoram enganar seus clientes com “ganhe grátis”, mas posteriormente exigem dados de cartão ou o pagamento de taxas extras tendem a fracassar no longo prazo.
  • Bullet points – a nossa boa e velha estrutura de tópicos. Apenas tenha certeza de que os tópicos e itens fazem sentido e possuem correlação com a chamada que você publicou. Use linguagem rápida e direta, porém não pobre e sem significado real.
  • Vídeos – em alguns casos, a utilização de vídeos em landing pages pode facilitar a comunicação com o usuário, levando-o diretamente à ação sem necessidade de concluir a leitura da página, uma espécie de “atalho audiovisual”. Os vídeos devem ser curtos, preferencialmente não ultrapassando um minuto.
  • Palavras-chave – claro que em razão de atributos de ranqueamento e SEO, é bom usar bem a palavra ou palavras-chave escolhidas ao longo da página. Mas cuidado, textos sem-pé-nem-cabeça, criados apenas para repetir palavras-chave desenfreadamente causarão desconforto ao leitor. Além disso, o Google vem melhorando seu mecanismo de buscas para simplesmente reduzir a relevância de páginas que possuam textos “enchendo linguiça” apenas para aumentar o número de repetições de uma keyword.
Criando confiança

Como é uma rápida ferramenta de comunicação com o usuário, a landing page geralmente possui alguns poucos segundos para gerar uma relação de confiança com o leitor. Utilize técnicas consagradas de copywriting, sempre mantendo a linha hierárquica rumo à conversão, como gatilhos mentais, textos imperativos e conativos e chamadas com tom jornalístico. Há alguns itens específicos que podem ser usados para criar um sentimento de segurança e confiança no usuário:

  • Depoimentos – relacionando clientes satisfeitos, opiniões de profissionais e comentários de famosos você estará deixando o leitor mais afável em relação a clicar em sua oferta ou proposta.
  • Showcase – no caso de produtos digitais, serviços de web design e similares, é sempre bom dispor de algum portfólio e prova física dos resultados. Por exemplo, se você cria websites em WordPress, é bom que tenha ali screenshots e imagens de seus melhores trabalhos.
  • Premiações – prêmios, concursos ganhos, certificações e todo tipo de título oficial que sua empresa, produto ou executivos possuam cria uma visão de qualidade por parte do leitor.
Design “unobtrusive”

Quem trabalha com design provavelmente já se deparou com o termo. Alguma coisa “obtrusive” em inglês é algo intrometido e inoportuno. Assim sendo, um design “unobtrusive” é leve, discreto, sem distrações ou obstáculos ao leitor e não cria ruídos de comunicação. Parece fácil, não é? Mas infelizmente, a maioria erra, e feio. E não adianta culpar web designers e pessoal de criação. Não são raros os clientes que querem incluir tudo e mais um pouco em suas peças publicitárias, e landing pages podem ser incluídas nesse grupo. Pedem a inclusão de todas as fotos possíveis, boas e ruins, descrições inúteis do produto, detalhes que clientes sequer se dão conta, dados e estatísticas, histórico da empresa, isso tudo quando não decidem colocar suas próprias fotos em destaque, como se o produto a ser vendido fosse o dono da empresa, e não o serviço ou mercadoria oferecida.

Na hora de pensar o design de uma landing page, tente ser direto e não ceder a distrações, criando uma boa composição com o menor número de elementos possível, que levem a uma conclusão óbvia para o leitor: a ação. Abaixo seguem algumas dicas para não criar barreiras para o usuário:

  • Vá devagar com o número de cores – se tudo está em destaque, isso significa que nada está. Deixe cores mais fortes para chamadas ou botões e cores mais fracas para o texto descritivo.
  • Tipografia sempre visível – esqueça das letras minúsculas do Word. Textos normais em 18px, subtítulos de chamadas no mínimo em 30px e slogans e chamadas principais em 40px ou mais.
  • Fotos em alta – otimize suas fotos em mecanismos de compactação na web, mas não utilize fotos em baixa resolução. Imagens borradas, de baixa qualidade e pixeladas são entendidas como um sinônimo de falta de qualidade na web.
  • “Aponte” para o objetivo – se você gosta de usar setas e linhas, tente posicioná-las de modo a apontar o alvo, ou seja, o CTA. Assim, visualmente seu usuário encontrará o caminho correto.



Comentários fechados.