LEIA MAIS
Por que paramos de falar em startups?

Quem lia nosso blog deve ter reparado (ou não lia): não escrevemos nada faz pelo menos 6 meses. Claro, mantivemos algumas postagens em redes sociais, mas o fato é que […]

Odeie a Bel Pesce – agora é ‘hype’

Até uma semana e pouco atrás, todos os exultantes e fascinados “empreendedores” por profissão no mercado online e nas redes sociais adoravam e idolatravam a Menina do Vale. Não importa […]

Devo criar minha empresa no Brasil ou no exterior?

Muitos empreendedores jovens, alguns ainda vivendo com os pais, têm feito repetidamente a si mesmos e a colegas, amigos e conselheiros essa mesma pergunta: “devo abrir minha empresa aqui ou […]

iClinic – mobilidade chega à gestão de consultórios

Não são poucos os softwares e sistemas de gestão de consultórios. Praticamente qualquer clínica ou consultório médico possui algum software utilizado por médicos e funcionários, com funções que vão desde simples cadastros de pacientes até o registro e controle de sintomas, resultados de exames, diagnósticos e por aí vai. Com a explosão da web 2.0, centenas de novos modelos surgiram no mundo todo, com funcionalidades que vão desde a cobertura das funções de “CRM” necessárias a um consultório até sistemas de agendamento e atendimento remoto a pacientes.

A startup brasileira iClinic é um desses novos sistemas. A empresa foi recentemente seleciona para participação no programa holandês de aceleração Rockstart Accelerator, com sede em Amsterdã. Uma primeira olhada no sistema já mostra que o iClinic está em uma categoria que não inclui muitas das soluções atuais: funciona em qualquer sistema operacional e pode ser acessado também de plataformas móveis. Como todos as modernas soluções SaaS, não exige instalação e possui cobrança mensal, mensurada pelo número de usuários com acesso.

“Os sistemas que dominam este mercado são todos desktop e rodam apenas em um sistema operacional (geralmente Windows). Em alguns casos é até possível acesso remoto dos dados, mas para isso são necessários uma série de procedimentos mais complicados para o usuário, que na maioria das vezes fica dependente de uma empresa ou profissional de informática e além disso pode ter falhas de segurança”, explica Felipe Lourenço, fundador da startup.

[fresh_divider style=”dashed”]

Integração com outras startups?

Felipe polidamente não citou nomes, mas comenta que hoje operam três grandes portais agregadores de serviços médicos no Brasil, que permitem o agendamento de consultas. Bem, nós citamos: o ConsultaClick, por exemplo. De qualquer modo, Lourenço diz que a grande maiorias das soluções de gerenciamento de clínicas e consultórios hoje exigem que as consultas agendadas em plataformas como essa sejam posteriormente incluídas nos sistemas de cada clínicas de modo manual.

“Já estamos em contato com esses três principais players de agendamento para integrar o iClinic aos serviços deles. Assim, qualquer agendamento, seja por telefone ou internet, poderá ser automaticamente propagado tanto para o serviço quanto no iClinic, mantendo a consistência dos dados e evitando retrabalho”.

[fresh_divider style=”dashed”]

Adequação às normas

Perguntamos ainda sobre convênios e planos – um inferno em termos de gestão e controle, tanto para clínicas quanto para paciente. Felipe explicou que o iClinic possui em seu banco de dados as informações de todos os planos de saúde regulamentados pela ANS. “Em breve a função de exportação de guias no padrão TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) estará disponível. Este padrão em breve passará a ser obrigatório para a comunicação entre convênios e prestadores de serviço”, completa.

* Consulte mais sobre o TISS e o QUALISS no site da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

[fresh_divider style=”dashed”]



Comentários fechados.