LEIA MAIS
Por que paramos de falar em startups?

Quem lia nosso blog deve ter reparado (ou não lia): não escrevemos nada faz pelo menos 6 meses. Claro, mantivemos algumas postagens em redes sociais, mas o fato é que […]

Odeie a Bel Pesce – agora é ‘hype’

Até uma semana e pouco atrás, todos os exultantes e fascinados “empreendedores” por profissão no mercado online e nas redes sociais adoravam e idolatravam a Menina do Vale. Não importa […]

Devo criar minha empresa no Brasil ou no exterior?

Muitos empreendedores jovens, alguns ainda vivendo com os pais, têm feito repetidamente a si mesmos e a colegas, amigos e conselheiros essa mesma pergunta: “devo abrir minha empresa aqui ou […]

Doare – ligando startups e terceiro setor

Captação de recursos e manejo de doações e contribuições é hoje um dos grandes desafios do terceiro setor no Brasil. Incentivos fiscais e o apoio de grandes empresas passou a exigir um nível enorme de profissionalização não apenas na apresentação e desenvolvimento de projetos sociais, ambientais e culturais, mas também em sua condução e nos processos de geração de recursos. Em outras palavras: ONGs hoje pagam funcionários, de fato, geram resultados para seus patrocinadores e apoiadores, métricas sociais e ambientais e, finalmente, possuem a “casa arrumada” do ponto de vista financeiro.

O recolhimento de donativos e doações é outro dos grandes desafios do segmento – milhares de ONGs disputam a atenção da população e “vagas” em editais de grandes empresas, autarquias e entidades, buscando a realização de seus projetos. Com olhos nessa modernização, plataformas de gestão e captação, Ruy Fortini e seus sócios e parceiros criaram a plataforma Doare. A Doare se propõe a receber e gerir doações de usuários para entidades, ONGs e projetos assistenciais e funciona como uma rede, permitindo aos usuários não apenas conhecerem as entidades e efetuar doações, mas também promovê-las e interagir com as mesmas.

[fresh_divider style=”dashed”]

Mundo corporativo

Em termos de apresentação e plataforma, a Doare se assemelha muito a diversos outros sistemas de crowdfunding na internet, mas o fundador Ruy Fortini afirma que, provavelmente a partir de outubro deste ano, a plataforma deverá passar a gerir doações corporativas a projetos e entidades credenciados. O desafio, diz ele, não é de ordem técnica. “Estamos enfrentando o maior desafio na parte de busca e seleção desses projetos para intermediar. Consequentemente, depois o desafio será na prospecção comercial corporativa”.

Uma vez acertadas as parcerias, Ruy comenta que há possibilidades de se produzir uma espécie de hotsite, com o nome de “Imposto do Bem”.

[fresh_divider style=”dashed”]

Metas e cobrança

Fortini explica que, em relação à formação de parcerias com entidades, a Doare estabeleceu uma lista de 50 entidades, das quais 20 já foram trazidas para a plataforma. O empresário afirma que um “pente-fino” é passado pelas entidades, antes que possam ser integradas ao sistema. “Aplicamos um processo de validação para verificar a autenticidade e idoneidade da organização, no qual estão incluídos o envio e a análise de documentos, desde comprovantes de sede e estatutos sociais até relatórios de desempenho”.

Doare também pede aos parceiros explicações e justificativas em relação à destinação dos recursos angariados. O objetivo, diz Ruy, é “fazer com que as organizações mantenham uma comunicação ativa com os apoiadores”.

[fresh_divider style=”dashed”]

Grana e expansão

Mas não podíamos deixar de fora a pergunta de sempre – e que vantagem Maria leva? Fortini, até ao contrário de muitas startups e empresas no terceiro setor, foi direto e reto: “atualmente, nós cobramos uma taxa geral de 9,80% + R$0,95 por transação intermediada, no qual já inclui os custos com o meio de pagamento. Recentemente disponibilizamos uma opção para os doadores poderem cobrir essa taxa no processo de check-out no qual teve grande taxa de adesão (aproximadamente 60%)”.

O empresário ainda disse que certamente uma internacionalização é pretendida pela Doare. “Com certeza devemos internacionalizar, inclusive já tivemos o cadastro de uma organização chilena a qual não pudemos atender, pois os meios de pagamento brasileiros não processam cartões de créditos de origem internacional… Só na America Latina, existe um total de 2 milhões de organizações do terceiro setor, sendo 320 mil [delas] no Brasil“, explicou Ruy.

Em 2012, a startup angariou investimento de R$ 30 mil do fundo Rio Ventures e participa do processo seletivo do programa Start-UP Brasil, buscando preferencialmente o processo de aceleração da Pipa.vc, no Rio de Janeiro. Além disso, Fortini diz que a Doare também negocia um novo aporte de US$ 70 mil junto a outro fundo.

[fresh_divider style=”dashed”]



Um comentário

  1. Legal Ruy cai dentro a Doare tá no caminho certo!!

    Que orgulho a MarketingShop tem de ter a Doare como cliente!! Nós fazemos a gestão do Facebook da Doare com muito prazer!