LEIA MAIS
Ter uma startup não é mais algo de especial

“Ter uma startup não é mais algo de especial”. Ouvi essa frase duas vezes na última semana, e umas 5 ou 6 vezes desde que o ano começou. Acho que […]

Universidades e startups no Brasil – união hipócrita?

Faça uma faculdade, depois um ou dois MBAs, tudo junto a cursos vários de inglês e espanhol e aulas de piano. Ao final de 20 anos você poderá começar como […]

O superlativo ridículo do empreendedorismo

Li esta semana algumas peças, artigos e apresentações falando do que diferencia um “pequeno negócio” de um “império”, ou uma “empresinha” de uma “multinacional”. Os gurus do empreendedorismo popstar não […]

Alvanista – bem além dos ‘reviews’ para gamers

Cá comigo sempre pensei: porque não há uma rede social específica para videogames e jogos. Acabei por descobrir algumas, mas em sua maioria se tratavam muito mais de banco de dados de games, com alguns atributos sociais e possibilidades de avaliação e reviews. Esperando mais uma dessas plataformas, acabei me cadastrando na cearense Alvanista. A surpresa foi total – sistemas de pontuação e rankings, integração completa com Facebook e Twitter e um visual finalmente digno dos games ali comentados. Afinal, mexer com games hoje em dia com gráficos e funcionalidades limitados não dá pé.

Procurei pelos desenvolvedores da plataforma e encontrei um dos fundadores – Bruno Cavalcante. Simpático e detalhista, Bruno não apenas respondeu a alguns de nossos questionamentos como nos encaminhou post que redigiu em seu blog, onde conta em detalhes a origem e trajetória do projeto, desde a primeira versão do sistema (foto abaixo – a atual está no destaque do post). Mas, não se dando por satisfeito, o fundador do Alvanista ainda foi fundo em nossas perguntas, como você pode ver abaixo.

[fresh_divider style=”dashed”]
Alvanista

Plataforma limpa e moderna, design bom e sem muitos bugs na versão beta no ar.

[fresh_divider style=”dashed”]

Startupeando – Dei uma fuçada lá no Alvanista – mesmo fora de games, é uma das redes sociais mais caprichadas que vi ultimamente aqui no Brasil. Vocês têm uma proposta de modelo de negócio pra ela?

Bruno Cavalcante – Temos. Nossa ideia para monetizar a Alvanista é com publicidade direcionada. O mercado de games é muito forte, e acreditamos que podemos ser um excelente canal para o marketing deste mercado, principalmente pela publicidade poder ser extremamente direcionada. De cara, todos os usuários já são gamers. Publicidades sobre jogos devem ser mais bem recebidas que em canais mais genéricos. Além disso, podemos direcionar a publicidade para jogadores de gêneros, plataformas, empresas e/ou franquias específicas, tornando a publicidade ainda mais direcionada. E o melhor, acreditamos que teremos uma boa recepção à esse tipo de publicidade na Alvanista, visto o próprio tema da rede: games.

[fresh_divider style=”dashed”]

Startupeando – Outra – não entendi muito o esquema de pontuação – como ele funciona? É apenas concebido pra dar o ar do gamification à plataforma ou vocês visualizaram algum benefício lá na frente pra galera com maior pontuação?

B.C. – A pontuação da Alvanista funciona para recompensar os jogadores que usarem os diversos recursos da rede, e produzirem bom conteúdo – como boas postagens, críticas, etc. Os jogadores com maior pontuação vão para a tela de perfis populares, são sugeridos para outros jogadores e aparecem primeiro em todas as listagens de jogadores da Alvanista.

[fresh_divider style=”dashed”]

Startupeando – A plataforma foi desenvolvida em Ruby? Quanto tempo de desenvolvimento?

B.C. – Sim, foi feita em Ruby, com Ruby on Rails. A versão alfa foi feita em 15 dias, mas estamos em contínuo desenvolvimento, sem parar, desde ela. Já são, atualmente, 7 meses de desenvolvimento. Estamos constantemente evoluindo a rede para que ela se torne mais completa, e mais escalável.

[fresh_divider style=”dashed”]

Startupeando – Em termos de métricas – como tem sido a evolução do número de usuários e a interação média deles?

B.C. – Nos primeiros meses, tivemos uma evolução significativa do número de usuários – principalmente devido à divulgação que tivemos em grandes portais da área. Após esse período, nosso número de usuários continou com um crescimento “natural”. As métricas de engajamento, no entanto, não mostravam um avanço significativo. No segundo semestre de 2012, começamos a pivotar o projeto para focar mais na interação entre os usuários, e menos no gerenciamento das suas coleções. Com esse novo direcionamento, as métricas de engajamento começaram a subir regularmente, e estão subindo de forma impressionante, principalmente nos últimos 2 meses. Como somos uma rede social, a tendência é que essas métricas crescam exponencialmente com o crescimento da base de usuários e atividades destes na rede.

Hoje, temos que cada usuário gera, em média, 70 atividades. É importante considerar que agrupamos atividades similares, como, por exemplo, quando um usuário avalia 50 jogos em um intervalo de uma hora. Isso gera somente uma atividade, do tipo “Bruno avaliou 50 jogos”. Também temos uma taxa de mais 300% de comentários por publicação (atividade escrita pelo próprio usuário). Temos uma média de 50 pageviews por unique. O tempo médio de duração da visita é de 16 minutos.

Não podemos divulgar outros números, por restrições de negociações com interessados no projeto, mas acredito que estes números podem fornecer algum indicativo da atividade na Alvanista.

[fresh_divider style=”dashed”]

Startupeando – E claro, um resuminho do background da galera envolvida nunca é demais – gosto de dar rosto às startups.

Bruno Cavalcante (@bfcavalcante e alvanista.com/bruno)
Sócio-diretor da Astux, engenheiro de software e perfeccionista. Tem Ruby como principal ferramenta, e é entusiasta de SOA, Web Semântica e tecnologias livres. Preza por interfaces limpas, funcionais e acessiveis.

Kim Lima (@kim_lima e alvanista.com/kim)
Sócio-diretor da Astux, engenheiro de software interessado em desenvolvimento pra web e mobile com boa experiência em modelagem estatística, algoritmos matemáticos e inteligência computacional.

Rodolfo Sikora (@sikora e alvanista.com/sikora)
Empreender está no meu sangue. Sou movido a desafios. Co-fundador também do iJigg.com (YCombinator 2007) e Gengibre.com.br.

Bruno e Kim se conheceram ainda na escola, e são amigos desde a 5a série. Participaram de olimpíadas e competições de informática juntos, e agora são sócios da Astux e co-fundadores da Alvanista. Rodolfo Sikora, também co-fundador da Alvanista, foi colega de trabalho de Bruno em Fortaleza e juntou-se a equipe da Alvanista para acrescentar toda a sua experiência obtida com o iJigg e o Gengibre, além de ajudar na codificação também. Toda a equipe é apaixonada por jogos eletrônicos.

[fresh_divider style=”dashed”]



Comentários fechados.